PT “recompensa” a esposa de Chico Buarque com cargo no BNDES

Se você votou no Lula e não foi chamado para nenhum grande cargo em Ministério ou Estatal entenda de uma vez por todas, você não é da turma! Seu papel é votar e acompanhar a vida deles pela Globo, até a próxima eleição quando serás convocado novamente.

Até agora o governo Lula não apresentou nenhuma política pública séria, nenhum planejamento econômico, nada. O único objetivo dessa nova turma em Brasília é culpar Bolsonaro por tudo e tentar encaixar o máximo de companheiros no governo.

A premiada da vez foi a esposa do milionário, cantor e compositor Chico Buarque. A Sra. Carol Proner, será assessora especial do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante.

Carol Proner é fundadora da recém-criada Associação Brasileira de Juristas pela Democracia – um nome bonito que basicamente poderia ser traduzido por associação dos que querem carguinho no governo.

Achou ruim?

Poderia ser pior, Proner chegou a ser cogitada para uma vaga no Supremo Tribunal Federal. Ela e Chico Buarque estiveram na posse do presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, na segunda-feira 6, no Rio de Janeiro.

E contrariando o desejo de 80% da população o Ministro Mercadante reafirmou que o BNDES irá ‘incinerar’ mais dinheiro público financiando obras em países com economia decadente como Argentina e Venezuela. O que significa que a Dra. Proner terá papel de destaque nesses ‘financiamentos’. A impressão que dá é que o PT não veio para governar, mas sim para se vingar.

Jornal da Cidade Online

 

O dia em que Lula decidiu demitir o presidente do Banco Central

Livro detalha relação de Lula e Meirelles; “Eles não são loucos”, do jornalista João Borges, será lançado nesta 3ª feira em Brasília

Em abril de 2008, no segundo mandato presidencial, Lula decidiu demitir o então presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles. O presidente havia pedido que auxiliares preparassem o clima para o afastamento e buscassem um nome para sucedê-lo no BC. O relato está no livro “Eles não são loucos — os bastidores da transição presidencial FHC-Lula”, do jornalista João Borges, que será lançado nesta terça-feira (7/2) em Brasília.

O motivo principal da irritação de Lula com Meirelles era a alta da taxa de juros. O petista já havia cobrado Meirelles diretamente em uma reunião no Planalto ainda em 2005, no primeiro mandato. “Meirelles, nós vamos perder a eleição!”, disse Lula ao presidente do BC na época, segundo o livro.

Reeleito, Lula voltaria a se irritar com o ritmo lento da queda dos juros no país, o que frustrava seu objetivo de um crescimento rápido da economia. Em abril de 2008, Lula informou que demitiria Meirelles a Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda que havia convidado Meirelles ao governo. Palocci ficou encarregado de preparar o terreno para a saída.

Antes disso, Meirelles já havia notado que estava em baixa com Lula. Ao deixar uma reunião com o petista, ouviu a reclamação: “Meirelles, você nunca convidou eu e a Marisa [Marisa Letícia, então primeira-dama] para jantar na sua casa”, disse o presidente, que foi prontamente convidado. O jantar foi preparado dali a três dias na casa de Meirelles, mas Lula não apareceu.

No mês seguinte à decisão de demitir Meirelles, Lula recuou. Entre um evento e outro, a agência de classificação de risco Standard & Poor’s concedeu o grau de investimento ao Brasil e passou a considerar o país como de baixo risco. O presidente comemorou a notícia e, quando foi procurado pelo então ministro da Fazenda, Guido Mantega, com um nome para substituir Meirelles, respondeu: “Nome pra quê?”.

O livro “Eles não são loucos”, escrito pelo jornalista João Borges e editado pela Companhia das Letras, será lançado em Brasília às 19h desta terça-feira (7/2), na Livraria da Travessa, no Casa Park.

Coluna do Guilherme Amado – Metrópoles

Venezuela, Moçambique e Cuba devem R$ 5,3 bilhões ao BNDES

Presidente falou sobre o assunto durante cerimônia de posse de Aloizio Mercadante à frente do banco e quer abrir os cofres do BNDES aos chamados “amigos” de Lula

Chamados de ‘amigos’ pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Venezuela, Moçambique e Cuba estão inadimplentes com o Brasil em relação aos empréstimos feitos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A dívida somada até dezembro de 2022 é de R$ 5,3 bilhões.

A Venezuela é a maior devedora: R$ 3,5 bilhões. Depois vêm Cuba, com R$ 1,22 bilhão, e Moçambique, que deve R$ 628 milhões. Quem faz a cobrança dessas dívidas é o próprio BNDES, presidido por Aloizio Mercadante, empossado no cargo nessa segunda-feira (6).

Durante a cerimônia de posse de Mercadante, Lula afirmou ter certeza de que os valores serão pagos no atual governo “porque são todos países amigos do Brasil e certamente pagarão a dívida que tem com o BNDES”. O presidente da República culpou a gestão anterior por não ter cobrado.

“Países que não pagaram [as dívidas] é porque o ex-presidente [Jair Bolsonaro] resolveu cortar a relação internacional e para não cobrar e ficar nos acusando”, disse Lula, que cobrou do novo presidente do BNDES a intensificação da atuação do banco de forma a contribuir com o crescimento econômico brasileiro.

O petista alegou ser “mentira” que a instituição emprestou dinheiro para nações com quem o presidente da República tem afinidade. “O BNDES nunca deu dinheiro para países amigos do governo. O banco financiou serviço de engenharia de empresas brasileiras em nada menos que 15 países da América Latina e Caribe entre 1998 e 2017.” Lula destacou, ainda, que não se pode ter “medo de emprestar dinheiro para o Estado se tiver capacidade de endividamento”.

Como funciona?

Uma das atribuições do BNDES é financiar a exportação de bens e serviços de engenharia brasileiros. Nessas operações, o banco desembolsa os recursos exclusivamente no Brasil, em reais, para a empresa brasileira, à medida que as exportações vão sendo realizadas.

Quem fica com a dívida, contudo, é o país estrangeiro, porque ele é o responsável por fazer o pagamento, que deve ser acrescido de juros.

Esses financiamentos são determinados pelo governo federal, que estabelece as operações, os países de destino, as condições contratuais (valor, prazo, equalização da taxa de juros e seguros) e os mitigadores de risco. Já com essas aprovações, o processo chega ao banco em sua parte final, onde é analisado e, se estiver em conformidade com as normas, aprovado.

Fonte: R7

 

“Perdeu, Mané”: Livro impactante sobre o STF é lançado e promete com muitas revelações

Uma incrível novidade acaba de surgir. Com conteúdo forte e revelador, um “livro documentário” sobre o Supremo Tribunal Federal (STF) acaba de ser lançado.

O nome da obra já mostra o que o leitor vai encontrar: “Perdeu, Mané!” – frase dita pelo ministro Luís Roberto Barroso, ao ser indagado por um cidadão patriota nos Estados Unidos. Escrito pelo respeitado jornalista Alexandre Siqueira, o livro documentário faz parte da série “Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”.

Na obra o leitor encontra um pouco da história da mais importante instituição do poder judiciário brasileiro desde os tempos do império (1609), a transição para a república (1889), e oficializado com a instalação da mais alta corte brasileira em 28 de fevereiro de 1891.

Fatos nunca antes revelados sobre as polêmicas do STF e seus ministros desde a eleição de Jair Bolsonaro à presidência da República estão no livro. Assuntos delicados são retratados como nunca antes. Fatos e dados sobre os 11 ministros que nunca ninguém fez, são descritos na obra.

O autor ainda tenta retratar o significado de um dos graves problemas da Corte: a politização do judiciário, que interfere diretamente na plenitude do regime democrático do país, ora vigente, conforme nossa Carta Magna, a Constituição Federal.

Com esse forte conteúdo, a obra deseja expressar a realidade histórica que o país vive, que corrói nossa democracia, pouco a pouco, alertando para as ameaças e os perigos que o esquerdismo quer alcançar sobre o povo brasileiro.

Jornal da Cidade Online

 

Câmara de São Luís decide apurar acusações ao vereador Domingos Paz por crimes sexuais

O Movimento de Mulheres do Maranhão, entidade que reúne 54 entidades voltará a cobrar da Câmara Municipal de São Luís um posicionamento sobre o vereador Domingos Paz, acusado de crimes sexuais, dentre os quais estupro de vulnerável e assédio sexual, com inquéritos instaurados em delegacias da Polícia Civil.

O vereador conseguiu através dos seus advogados, uma liminar para suspender o inquérito da acusação de estupro e impedimento do legislativo municipal em instaurar procedimento sobre o caso, mas como contra Domingos Paz, pesam outras imputações, inclusive sobre o assédio a uma menina de 14 anos, em que ele ofereceu 300 reais para a genitora e um celular para a adolescente por sexo e naturalmente seria estupro de vulnerável. Os prints do celular da mãe da menina mostram claramente a proposta indecente e criminosa do vereador Domingos Paz. O aparelho foi submetido a perícia criminal e o laudo já foi anexado aos autos do inquérito.

                  Movimento de Mulheres voltará a pedir justiça

O Movimento de Mulheres do Maranhão com 54 entidades voltará a cobrar da Câmara Municipal de São Luís a apuração dos fatos e o afastamento do vereador Domingos Paz, que já conta com inúmeros vereadores favoráveis, tendo em vista que a presença do acusado no plenário, implicará em cobranças e impedirá o parlamento do funcionamento normal. Outro fator ainda mais sério é quanto a apuração dos fatos pela Comissão de Ética.

Vereador aconselhado a se afastar da Igreja Evangélica

O vereador Domingos Paz, segundo comentários feitos por alguns fiéis, ele teria sido aconselhado a se afastar temporariamente do templo para tratar da sua defesa e esclarecer os fatos, uma vez que a presença dele é vista bem constrangedora

Hoje a Câmara Municipal de São Luís deve eleger os membros das mais diversas comissões parlamentares, diante de um novo período legislativo. A expectativa é sobre a Comissão de Ética, que terá a responsabilidade de acompanhar inquérito e processo na justiça contra o vereador Domingos Paz e instaurar procedimento para afastar o acusado, sem prejuízos de outras sanções.

Fonte: AFD

 

Empresa de calçados das marcas Ortopé e Dijean demite 517 empregados e fecha fábrica no Nordeste

Uma “avalanche” de empresas nacionais, após decretada a vitória e a posse do Lula (PT), estão encolhendo ou simplesmente encerrando atividades. O cenário é extremamente preocupante. É o caso agora do Grupo Dok, proprietário de marcas tradicionais de calçados como a Ortopé e a Dijean.

Na semana passada., o conglomerado com sede em Birigui, no interior de São Paulo, demitiu 517 funcionários de suas fábricas em Sergipe – nos municípios de Frei Paulo e Salgado – encerrando definitivamente as atividades em Salgado.

Roniclécio Alves, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Calçados, Fiação e Tecelagem dos Municípios de Frei Paulo, Carira, Ribeirópolis e Lagarto (Sindcafit), disse que até tentou impedir os desligamentos fazendo uma contraproposta, mas não conseguiu. – Lutamos para ajudar no que foi possível para manter os postos de trabalho, mas mesmo assim não conseguimos – lamentou.

O Grupo Dok argumentou que produz peças em formato private label para a Arezzo e Puma e que as dispensas ocorreram porque a Puma rompeu contrato com a empresa; o que desfalcou o caixa da fábrica. Sem poder continuar com as atividades, foi encerrada a produção em Sergipe. O Grupo Dok ainda mantém 1.450 colaboradores diretos em Frei Paulo, que não sabem, até quando terão trabalho no município.

Jornal da Cidade Online

 

“Declarações de Lula contra o BC só fazem juros subir”, diz economista

Para Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central (BC), ataques assustam agentes econômicos e criam espiral negativa de expectativas

As declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, feitas nesta segunda-feira (6/2), contra os juros fixados pelo Banco Central (BC) têm um efeito imediato na economia – e contrário ao pretendido. Na prática, só servem para pressionar ainda mais os juros para cima. Essa é a avaliação do consultor e economista Alexandre Schwartsman, ex-diretor o BC.

Hoje, durante a posse do novo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante, Lula disse: “É uma vergonha esse aumento de juro”. O presidente afirmou ainda que não há justificativa para que a taxa básica de juros do país, a Selic, esteja no atual patamar de 13,75% ao ano.

Na avaliação de Schwartsman, porém, esse tipo de declaração faz com que cresça o receito de que o BC seja obrigado a reduzir a Selic sem que a inflação esteja em queda, ou mesmo, sob controle. “Em tal cenário, tanto trabalhadores, na barganha salarial, como empresas, determinando preços para seus clientes, incorporam que a inflação à frente será mais alta”, afirma Schwartsman. “Eles fazem isso porque temem que o BC possa ser submisso aos interesses do Executivo.”

O ex-diretor do BC observa que esse conflito faz com que a inflação de agora se acelere, em resposta ao medo de uma taxa mais alta no futuro. Ocorre, portanto, uma espécie de espiral negativa com base na expectativa dos agentes econômicos.

Schwartsman lembra que, em 2016, o então presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, cedeu a pressões da presidente Dilma Rousseff para não promover uma alta de 0,5 ponto percentual da Selic. “E isso nos custou uma inflação de dois dígitos e juros idem”, nota o economista. “Quem não aprende com a história está condenado a repeti-la.”

Fonte: Metrópoles

 

Ministério da Cultura aprovou em janeiro, 595 projetos da Lei Rouanet com R$ 608 milhões

O mês de janeiro de 2023 teve 22 dois dias úteis. Nesse breve espaço de tempo já foram aprovados 595 projetos da Lei Rouanet pelo Ministério da Cultura. Um montante de R$ 608 milhões de reais em apenas vinte e dois dias. Só para o ‘Teatro Oficina foram R$ 92 milhões de reais – provavelmente essa verba seja endereçada a velha escola de Teatro paulistana comandada pelo decano dramaturgo Zé Celso Martinez Corrêa de 85 anos. 

O perdulário governo Lula liberou crédito para captação de R$ 3,9 milhões de reais para o espetáculo ‘Disney Magia’ e R$ 3,9 milhões para Disney on Ice. Isso mesmo o pagador de impostos brasileiro vai bancar a produção de espetáculo de uma das empresas mais ricas do mundo.

O Grupo Disney fatura cerca de U$ 70 bilhões de dólares por ano, cerca de R$ 385 bilhões de reais. Com a faturamento de um ano da Disney dá para bancar todo o estado de Roraima, incluído aí os indígenas Yanomami, por 55 anos.

 Entenderam, o apoio dos globais, atores, celebridades ao governo? Não foi porque eles queriam mais dinheiro. É porque eles querem nadar em dinheiro! Na verdade, os apoiadores estão apenas começando a cobrar as faturas, que são muitas com valores inimagináveis.

Jornal da Cidade Online

Senador flagrado pela PF com dinheiro na cueca se filia ao PSB, da base de Lula

Chico Rodrigues foi indiciado por peculato, lavagem de dinheiro, advocacia administrativa e tentativa de obstruir investigações

O PSB, partido que integra a base do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), anunciou a filiação do senador Chico Rodrigues, que foi flagrado com R$ 33 mil escondidos na cueca e indiciado pela Polícia Federal (PF). O parlamentar era filiado ao DEM, que se fundiu com o PSL e se tornou União Brasil.

“Cresce a bancada do PSB no Senado. O senador eleito pelo estado de Roraima, Chico Rodrigues, assinou a ficha de filiação e se soma a nossa bancada no Senado. Com uma robusta trajetória na vida pública, Chico já foi vereador, deputado federal, vice-governador e governador”, informou o partido nas redes sociais.

Em outubro de 2020, Rodrigues, que ocupava a função de vice-líder da gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) no Senado, foi alvo de operação da PF, em Boa Vista. A investigação, sob sigilo, apurou desvios de recursos públicos destinados ao combate à pandemia de Covid-19 oriundos de emendas parlamentares. Foram encontrados R$ 30 mil dentro da cueca de Rodrigues durante a abordagem. Ao todo, os valores descobertos na casa do senador chegariam a R$ 100 mil. Na operação, a PF também encontrou o que parecia ser uma pepita de ouro.

Somente dias após a operação o parlamentar informou que o dinheiro encontrado pela PF era para pagar empregados. Na ocasião, Rodrigues alegou inocência, perdeu a função de vice-líder e se afastou por 121 dias do Senado, pressionado pelos colegas.

Diante dos fatos, o senador foi indiciado pela PF por peculato, lavagem de dinheiro, tentativa de obstruir investigações e advocacia administrativa (quando um servidor público usa o cargo para defender interesses pessoais).

“O indiciamento das partes é uma das etapas naturais de um inquérito. Por isso, sigo tranquilo e à disposição da Justiça para elucidar o que for necessário. Acredito na qualidade das investigações desenvolvidas pela Polícia Federal e apoio essa busca incessante da PF pelo real esclarecimento dos fatos que envolvem meu nome”, afirmou Rodrigues na ocasião.

Fonte: R7

 

Número de mortos no terremoto na Turquia e Síria já se aproxima de 2.400

Forte abalo sísmico de magnitude 7,8 causou devastação nos dois países; equipes trabalham para localizar pessoas sob os escombros

O número de mortos no terremoto que atingiu o sul da Turquia e o norte da Síria chega de 2.400. A região foi devastada por um terremoto de magnitude 7,8, na madrugada desta segunda-feira (6), que foi sentido até na Groenlândia.

Na Turquia, onde foi registrado o epicentro do terremoto, pelo menos 1.500 pessoas morreram, e mais de 8.500 ficaram feridas, de acordo com o último balanço divulgado pelo órgão público de gestão de catástrofes. Na vizinha Síria, o terremoto provocou a morte de 810 pessoas e deixou 2.400 feridos, mas os números estão sendo alterados com as constatações feitas por levantamentos.

Somando os dados divulgados pelos dois países, o número de mortes chegou próximo a 2.400. O epicentro do abalo sísmico ocorreu a 26 km a leste da cidade turca de Nurdağı, que tem pouco mais de 40 mil habitantes e fica a cerca de 650 km da capital, Ancara, de acordo com o USGS (Serviço Geológico dos Estados Unidos).

O tremor surgiu a 17,9 km de profundidade, na província de Gaziantep, sudeste do país, próximo à fronteira com a Síria. O sismo ocorreu às 4h17 no horário local da Turquia (22h17 no Brasil), de acordo com o USGS. Mais de dois mil prédios desabaram completamente, o que sugere um número de vítimas muito maior, informou o vice-presidente turco, Fuat Oktay.

Os abalos foram sentidos também na capital turca, Ancara, e em outras cidades. Os aparelhos registraram um sismo inicial e, logo em seguida, mais dois terremotos aconteceram na mesma região.

Segundo o vice-presidente turco, pelo menos três dos aeroportos da zona afetada, Hatay, Maras e Gaziantep, foram fechados para o tráfego. A neve e as tempestades que atingiram a região impediram a circulação em outros aeroportos, incluindo o de Diyarbakir.

Fonte: AFP e R7