Estranhamente, IPEC e DataFolha não farão pesquisa de boca de urna

A tradicional pesquisa boca de urna não será feita no dia das eleições deste ano. Isso é bastante estranho.

O Ipec, ex-Ibope, informou que não fará a pesquisa do próximo domingo (2).

Da mesma forma, a pesquisa Datafolha, que costuma acontecer no mesmo dia, também não será realizada.

Em outros anos, o levantamento era divulgado após as 17h (horário de Brasília), quando é encerrada a votação e as urnas são fechadas.

Pesquisa de boca de urna não tem como manipular…Será esse o motivo?

Fonte: Jornal da Cidade Online

 

Curral eleitoral e calote na indenização de demitidos da Câmara definham campanha de Osmar Filho

O todo poderoso vereador Osmar Filho, presidente da Câmara Municipal de São Luís, vergonhosamente cala sobre demissões de empregados do legislativo municipal sem direitos trabalhistas de pelo menos 145 pessoas contratadas com carteira assinada e algumas com mais de 20 anos de serviços e outros até próximo de 30, que não tiveram recolhidas as suas contribuições previdenciárias e não podem se aposentar. De maneira autoritária e acreditando sempre na impunidade, também não recolheu FGTS, o que está sendo objeto de ações na Justiça do Trabalho

Osmar Filho por ser filho de magistrado, entende que tudo pode e que está acima da lei, uma vez que nas eleições passadas transformou o legislativo municipal em curral eleitoral. Apesar das inúmeras denúncias á época, não houve qualquer manifestação do Ministério Público Eleitoral, do Ministério Público Estadual e do Tribunal de Contas do Estado. O dinheiro da Câmara Municipal de São Luís foi usado abertamente para a compra de votos de maneira aberta com pagamentos feitos através da agência do Bradesco da Câmara Municipal.

O presidente do legislativo municipal usa o dinheiro público como entende. A maioria dos vereadores entram no jogo, levam migalhas pelas beiradas e participam das empreitadas políticas. Há poucos dias de maneira arbitrária impediu que a tradicional festa dos servidores da Câmara Municipal fosse realizada no pátio interno da Câmara Municipal e utilizando de nomes de representações dos empregados inventou uma Festa de São João num hotel de luxo na orla marítima da capital, o que mereceu a revolta e a indignação da maioria.

Na verdade, Osmar Filho realizou uma mega desta junina no Rio Poty Hotel como ato político da sua pré-campanha a deputado estadual e do senador Weverton Rocha, pré-candidato a governador, com tudo pago com o dinheiro público da Câmara Municipal de São Luís.

O mais vergonhoso é o silêncio e a omissão dos vereadores, que sabem de todas as manobras desonestas praticadas pelo presidente, tendo alguns por covardia em não se posicionar dentro do parlamento contra o presidente, chegaram a fazer cotas para comprar cestas básicas para distribuir aos demitidos.

O vereador Osmar Filho está sendo surpreendido na campanha política com várias manifestações públicas de denúncias e também por não merecer a confiança de muitos aliados, além de que nas redes sociais será denunciado com conteúdos recheados de práticas ilícitas e desonestas, como foi o caso do curral do eleitoral.

Fonte: AFD

 

 

 

Concurso literário do Rotary Club de São Luís – Praia Grande na reta final

O prazo da entrega de textos para o concurso literário do Rotary Club São Luís Praia Grande encerra-se no final do mês de outubro. Os prêmios dos três primeiros colocados serão de R$ 6.000,00. A participação é individual e aberta para todas as pessoas maiores de 18 anos.

Tema

Os textos podem versar sobre qualquer assunto que trate da história ou atuação do Rotary. O regulamento do concurso está disponível no site do Instituto Maranhense de Direito Comparado, na seção Parcerias, informou o presidente do Clube, advogado Carlos Nina, esclarecendo que o objetivo do tema é destacar a contribuição social da instituição.

Regulamento

Os trabalhos devem ser enviados diretamente para o e-mail [email protected], em mensagem que deve observar as seguintes condições: conter no assunto apenas a expressão: concurso Anual de Texto do Rotary SLZ PG 2022; não conter nenhuma palavra ou texto no corpo do e-mail; ter anexados quatro arquivos: um arquivo em PDF, com a imagem legível de documento de identidade do concorrente, no qual conste sua fotografia; um arquivo, em PDF, com nome completo, CPF, RG, telefone de contato e endereço completo, inclusive CEP, e o pseudônimo usado pelo concorrente no texto de sua autoria; um arquivo, em WORD, com o texto de autoria do concorrente, identificado apenas com o pseudônimo; um arquivo em PDF do texto de autoria do concorrente, convertido do original do arquivo em WORD.

O texto em WORD deve ser digitado em fonte ARIAL, tamanho 12, espaço entre linhas de 1,5cm, margens superior e esquerda de 3cm e inferior e direita de 2cm, com o limite mínimo de oito mil e máximo de dez mil caracteres, incluindo espaços e excluindo a bibliografia. Serão excluídos os textos que não observarem as especificações do regulamento ou contiverem plágio.

Comissão Julgadora

A Comissão Julgadora será presidida pelo professor Alberto Tavares Vieira de Silva, da Academia Maranhense de Letras e da Academia Maranhense de Letras Jurídicas, e integrada pelo advogado e escritor Alexandre Maia Lago, da Academia Ludovicense de Letras; e pelos rotarianos Eulália das Neves Ferreira, do Rotary Club São Luís João Paulo e presidente da Academia Brasileira Rotária de Letras – Maranhão; escritora e professora Maria do Carmo Aragão da Silva, ex-presidente do Rotary Club de Fortaleza – Praia de Iracema e membro da Academia de Letras dos Municípios do Estado do Ceará; escritor e auditor fiscal Raimundo Neto de Carvalho,  do Rotary Club Teresina Piçarra, membro da Academia Brasileira Rotária de Letras, e fundador   e   presidente   da   Academia Brasileira   Rotária   de   Letras – Piauí; e da advogada  Maria Odete Henriques de Sá, presidente do Rotary Club Rio de Janeiro.

Centenário do Rotary no Brasil

O RCRJ é o primeiro clube de Rotary do Brasil e completará 100 anos de existência no próximo dia 15 de dezembro de 2022. Para a comemoração no Rio já confirmou presença a canadense Jennifer Jones, presidente do Rotary Internacional e primeira mulher a ocupar o cargo.

Entrega dos prêmios

Os prêmios do concurso, patrocinados por Smart Pilots, Augusto Ferreira & Rodrigo Bezerra Advogados, e Nina Advogados Associados, Dino´s BBQ e Glacymar Turismo, serão de R$ 3.000,00 para o 1º lugar; R$ 2.000,00 para o 2º lugar; e R$ 1.000,00 para o 3º lugar. A entrega dos prêmios aos vencedores será dia 14 de abril de 2023.

Fonte: Rotary Club

 

Petistas se articulam por cargos, até no STF. Irmão de Flavio Dino quer a PGR

Políticos petistas, sobretudo que viraram personagens nas investigações da Lava Jato, já se articulam para retomar posições e fazer indicações em eventual governo Lula, inclusive para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Caso do ex-deputado João Paulo Cunha, que presidiu a Câmara e foi condenado a 6 anos e 4 meses de prisão por corrupção passiva e peculato, até ser perdoado pelos ministros dos quais pretende ser colega. Ter sido preso pela Lava Jato virou “currículo” no PT.

Advogado militante

João Paulo Cunha hoje chefia um bem-sucedido escritório de advocacia em Brasília, pelo qual optou apesar da pressão para tentar um mandato.

Dirceu à espreita

Outro da “velha guarda” do lulismo com expectativa de poder, José Dirceu também se estabeleceu em Brasília há meses, em um escritório desenvolvendo ações para se tornar um dos grandes articuladores do PT.

Carteirinha salvadora

Dirceu tenta que a OB-SP devolva sua carteirinha de advogado. Ele não entende como Roberto Jefferson já recebeu a sua e ele não.

Inesquecível

Outro personagem que busca lugar ao sol petista é Nicolau Dino, irmão do ex-governador do Maranhão, Flavio Dino. Quer a PGR. Mas no PT não esquecem que ele coordenou a Lava Jato no STJ.

Coluna do Claudio Humberto

 

STF do Brasil custa dez vezes mais que o Supremo do Reino Unido

Custando mais caro ao pagador de impostos do Brasil que a família real para os britânicos, o Supremo Tribunal Federal não desmentiu seu custo de R$851,7 milhões anuais, maior que os R$601 milhões da realeza, mas acha que a comparação “não faz sentido” e ainda deu lições sobre diferenças. Se a comparação direta é que faz sentido, basta lembrar que o STF é mais de dez vezes mais caro para os brasileiros que a Suprema Corte para o Reino Unido: 14 milhões de libras por ano (R$80 milhões).

Metade paga

No relatório de contas 2021/22 do Supremo britânico, a Corte comemora haver recuperado ao pagador de impostos 7,6 milhões de libras.

R$100 milhões a menos

O STF consome R$851 milhões anuais aqui. Nos EUA, país muito mais rico, com população 50% maior, não passa de R$755 (US$140) milhões.

Quatro vezes a Índia

Se STF vê sentido na comparação com países do Brics, na Índia, de 1,3 bilhão de habitantes, a Corte Suprema custa cerca de 25% que no Brasil.

Mesmo tamanho

Na Austrália, país com extensão territorial semelhante à brasileira, mas com só 25 milhões de habitantes, a High Court custa R$97 milhões/ano.

Coluna do Claudio Humberto

 

Auditor da Receita Federal desmente Gilmar Mendes sobre perdão de dívida do Instituto Lula

O ministro Gilmar Mendes suspendeu uma ação de cobrança de R$ 15,3 milhões em tributos devidos pelo Instituto Lula. A alegação do ministro para mais uma vez ‘perdoar’ o ex-presidiário, foi no sentido de que as provas do processo seriam originárias da Lava Jato e teriam sido anuladas pelo Supremo.

“A ilicitude na obtenção da prova se transmite às provas derivadas, que, igualmente, devem ser consideradas inadmissíveis no processo”.

O detalhe é que a Receita Federal não utilizou nenhuma prova ilícita ou anulada nos processos judiciais. O que ocorreu foi exatamente o contrário. Parte do material levantado pela Receita Federal foi utilizado pelo Ministério Público na Operação Lava Jato.

O auditor fiscal Kleber Cabral, ex-presidente do Sindifisco Nacional e candidato a deputado estadual em São Paulo, desmentiu o ministro. “Na verdade, parte das provas levantadas de forma legal e autônoma pelos auditores da Receita Federal alimentaram as investigações conduzidas pelo MPF, e não o contrário”, sustentou o auditor.

Jornal da Cidade Online

 

Flavio Dino e o Consórcio de Governadores desviaram milhões de reais na farsa da compra de respiradores

A iniciativa de criação do Consórcio Nordeste de Governadores se constituiu numa articulação de nove governadores para formar uma frente de oposição ao governo federal e a criação de um grupo político para as eleições de 2022. Os governadores chegaram até a pretensão de fazer negócios com países europeus e asiáticos com total atropelamento às instituições federais, sem falarmos na importação de médicos cubanos, que chegou a ser debatida.

Os governadores achavam-se o próprio poder, principalmente que iriam receber muito dinheiro para o enfrentamento a covid-19, que seria o grande mote para fazer política, sem falarmos que poderiam fazer compras com a dispensa de licitações e acreditavam que não haveria fiscalização por parte dos órgãos federais de controle.

Quem não se recorda do governador Flavio Dino em todos os jornais da TV Mirante mandando recados autoritários a população, sem nunca ter levado qualquer infectologistas para interagir com o povo. Chegou-se a pensar que se tratava de horário político em que o candidato único era o governador Flavio Dino mandando e desmandando sem um mínimo de controle dos jornalistas, que os entrevistavam. A ordem do dia era a mesma, não sair de casa, esquivando-se de qualquer estratégia sobre como as milhares de famílias que vivem nas periferias iriam ter o pão de cada dia. Se normalmente a população não tem acesso a água, quando mais ao álcool gel e sabão como prevenção a covid-19 e a alimentação, em que se dependesse do Governo do Estado, muita teria morrido de fome.

O Auxílio Emergencial do Governo Federal e a solidariedade de dezenas de empresas e cidadãos fraternos dessa grande cidade de São Luís, foi de fundamental importância para o enfrentamento ao problema, a fome teria sido muito grande, uma vez que os governos estadual e municipal pouco ou nada fizeram e fugiram de maneira covarde das suas responsabilidades para o povo de São Luís. No interior do Estado, pela mesma omissão, o covid-19 tende a avançar com dimensões graves e riscos inimagináveis.

Flavio Dino havia incorporado o próprio poder e entendeu ser a palmatória do poder público, impondo-se de um poder moral para pedir através da mídia, a renúncia do presidente da república e já se apresentava como candidato em 2022. O interessante é que o governador não olhou para a sua administração nos últimos 05 anos e não se espelhou nos graves problemas da sua administração e muitos quais, deixam de ser apurados pela deliberada omissão do Ministério Público Estadual. Para apenas citar um deles, o rombo no FEPA permanece na impunidade e os servidores estaduais aposentados devem ser prejudicados dentro de pouco tempo.

                      As negociatas dos respiradores e desvio do dinheiro do povo

                       O Governo do Maranhão para enfrentar a covid-19 recebeu doações de milhões de reais em equipamentos e dinheiro, mas pouco se sabe do valor, uma vez que há um grande silêncio por falta de transparência. O caso das compras de respiradores através do Consórcio Nordeste de Governadores resultou, em que os governadores nordestinos, e dentre eles Flavio Dino, os quais em abril fizeram um negócio com a empresa HempCare Pharma para a compra de respiradores na Alemanha. Os nove governadores fizeram uma compra de 300 respiradores, dos quais 30 seriam para o Maranhão, que pagou antecipadamente R$ 4,9 milhões. A empresa aplicou um calote em todos os governadores e mesmo com o governador da Bahia intercedendo perante as autoridades para prender alguns dos acusados e os bloqueios de contas, o dinheiro entregue aos caloteiros foi superior a R$ 49 milhões.

Flavio Dino sem esperar a concretização da primeira compra, efetuou uma segunda com o grupo e pagou R$ 4,3 milhões a outra empresa, que seguindo o caminho da primeira aplicou calote. O governador diz que foi ressarcido, mas como não apresenta qualquer prova, muita gente não acredita. A verdade é que calote teria ultrapassado os R$ 9 milhões

Sobre os calotes, Flavio Dino mantém um silêncio obsequioso. Se os recursos foram para o combate a covid-19, com certeza a Controladoria Geral da União e a Polícia Federal estarão na cola do governador. Se eles saíram do tesouro estadual, o que se pode esperar é por um milagre por parte do Ministério Público Estadual, o que seria uma oportunidade para o novo Procurador Geral de Justiça colocar em ação o combate a corrupção, promessa feita no dia da sua posse ou então tudo ficará na impunidade pela omissão vergonhosa das instituições de controle, que geralmente são manipuláveis.

Fonte: AFD

 

Ciro Gomes destaca esquema de corrupção de Lula e promete renunciar se estiver mentindo

A afirmação do candidato do PDT à presidência da República foi em entrevista ao Flow Podcast, nesta terça-feira (27). Ciro Gomes disse que o ex-presidiário do PT usa o Instituto Lula para ‘omitir’ o dinheiro que ganhou em esquemas de corrupção:

“Você sabe quanto tem na conta pessoal do Lula, entre ele e o Instituto Lula que ele botou (sic) para não pagar imposto e fazer palestras de araque? Tem 20 milhões de reais na conta do cara”, contou o candidato, para supresa do entrevistador, que disse ter ouvido de muita gente que seria impossível chamar o petista de ladrão, justamente por ele não apresentar patrimônio pessoal relevante.

Mas Ciro prosseguiu, explicando como funcionava a distribuição da propina e a lavagem de dinheiro:

“Tem duas razões para você ser corrupto. Uma é o patrimônio pessoal e a outra é para financiar a sua estrutura de poder. O Lula navega de braçada para financiar a estrutura de poder, mas tomou-se de gosto também pela burguesia. Existe um negócio chamado Instituto lula. O que ele faz aí? Ele pega e contabiliza no Instituto Lula. Daí você vai olhar, palestras – sabe o quanto ele cobrou na contabilidade? 200 mil dólares, que dá um milhão de reais.

Agora o curioso é que nunca tinha feito uma palestra antes e nunca fez nenhuma depois. É tudo na constância do tráfico de influência dele, todas por empreiteiras da Lava Jato. E todos os delatores da Lava Jato disseram que fizeram isso por propina.”

Essa foi a explicação de Ciro, que concluiu fazendo um desafio: “E se for mentira, eu renuncio à minha candidatura hoje.”

Considerando que a Receita Federal está cobrando de Lula, só em impostos, o equivalente a R$ 18 milhões, talvez Ciro esteja até subestimando o patrimônio real do descondenado.

Jornal da Cidade Online

 

Advogados pedem afastamento de Alexandre de Moraes da presidência do TSE por suspeição

Advogados apresentaram EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO do ministro presidente do TSE, após ser flagrado na Sessão Plenária de 27/09, fazendo gesto de “degola”. Segundo o pedido, o ato foi em clara alusão ao procedimento que estava sendo julgado, passando a mensagem de que “o caso estava encerrado” e seria “degolado”.

Houve divergência com o voto do Relator Benedito Gonçalves, que havia concedido liminar ao PDT para proibir o presidente de realizar LIVES de dentro do Palácio do Alvorada, e a votação terminou empatada em 3 a 3. Coube então ao ministro Alexandre de Moraes desempatar com o “voto de minerva”, o que veio a corroborar com o gesto de “DEGOLA”, o que se subtende, de que já estaria informando o resultado previamente.

A conduta, segundo os advogados, é típica de SUSPEIÇÃO DE JUIZ, como prevista na legislação brasileira, pois caracteriza uma manifestação PESSOAL do julgador, o que é vedado por lei e pela Constituição Federal. Segundo os juristas autores da ação, “o ministro Alexandre de Moraes, com esse gesto, e seu passado de nomeações de Geraldo Alckmin e Lula, demonstra que ele tem lado, o que é vedado pelo Código de Processo Civil, onde ser inimigo da parte ou possuir interesse no julgamento, é causa de suspeição.”

Ainda de acordo com os advogados, “o gesto inapropriado do ministro não deixa dúvidas de sua conduta lesiva à IMPARCIALIDADE do juiz, colocando em risco todo o processo eleitoral, tendo em vista a proximidade do pleito e seu posicionamento durante a Sessão e histórico de perseguições ao presidente Bolsonaro.”

“Há riscos da própria lisura do processo eleitoral, caso Alexandre de Moraes conduza o pleito”, disseram os advogados. O pedido de SUSPEIÇÃO, de acordo com o Regimento Interno do TSE, foi dirigido ao vice-presidente da Corte, Ricardo Lewandowski, que terá que decidir sobre o afastamento liminar de Alexandre de Moraes.

Os advogados ainda pediram para que o TSE notifique a Procuradoria-Geral Eleitoral e o Senado Federal, para apurarem responsabilidades de Alexandre de Moraes, que, segundo eles, violaram princípios da administração pública: IMPESSOALIDADE e MORALIDADE, e o mesmo vem proferindo decisões em julgamentos sendo suspeito por lei.

Jornal da Cidade Online

 

Flávio Dino e Assembleia aplicaram golpe nos servidores públicos com o aumento das alíquotas do FEPA

Matéria publicada no dia 20 de novembro de 2019, ilustrada com fotos dos parlamentares que foram subservientes a Flavio Dino e contra os servidores públicos

Em mais uma de suas atitudes tiranas, o governador Flávio Dino conseguiu mais uma vitória contra os servidores públicos do Maranhão com a aprovação, pela Assembleia Legislativa, do Projeto de Lei Complementar 014/2019, que aumenta as alíquotas de contribuição dos servidores ativos, patronal e aposentados ao Fundo Estadual de Pensão e Aposentadoria (Fepa).

A matéria foi encaminhada ao Parlamento Estadual, para votação em regime de urgência e tramitação em apenas 48h, sem qualquer diálogo com os representantes dos servidores públicos do Estado. O texto foi aprovado por 28 dos 31 deputados presentes na sessão e segue para sanção governamental.

“Estamos profundamente revoltados com a aprovação desse Projeto de Lei Complementar, que o governador Flávio Dino encaminhou aumentando a alíquota da contribuição previdenciária dos servidores públicos do Maranhão, sem qualquer discussão com a nossa categoria. Somos contra esse projeto de lei e, mais uma vez, o governador Flávio Dino provou que ele é autoritário e facista”, afirmou Cleinaldo Bil Lopes, presidente do SINTSEP e coordenador do Fórum de Defesa das Carreiras do Poder Executivo. Flávio Dino pretende, ainda, aumentar da alíquota da contribuição patronal para o Fepa, que hoje é de 15%, mas que, com a reforma, será de a partir da mesma alíquota, podendo chegar até 44% do salário-contribuição dos servidores ativos, aposentados e pensionistas.

 Fonte: SINTSEP Imprensa