Artistas silenciam às queimadas na Amazônia depois de receberam mais de R$ 16 bilhões da Lei Rouanet

A Amazônia queima e a classe artística está completamente calada. Emissões por queimadas estão batendo recorde no Brasil. As informações foram divulgadas na quarta-feira (29 de fevereiro) pelo observatório climático e atmosférico europeu, Copernicus. Segundo o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o estado de Roraima representou 47,8% do total queimado no país em janeiro.

Em fevereiro, a região teve 2.002 focos de incêndio, número 12 vezes maior que os 168 registrados no mesmo período do ano anterior e próximo aos 2.659 focos que ocorreram durante o ano inteiro. O instituto indica que a Amazônia brasileira registra o fevereiro com maior número de queimadas da série histórica. O número de focos de calor registrados no bioma até terça-feira (27) corresponde a 364% da média histórica.

Em Roraima, cidades ficaram encobertas pela fumaça. Segundo o Mapbiomas, cerca de 413.170 hectares já foram consumidos pelo fogo.

Paralelamente, no desgoverno petista o valor aprovado via Lei Rouanet em 2023 chegou ao recorde histórico de R$ 16,5 bilhões. É mais do que o quádruplo do que aprovou o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) em 2022 (R$ 3,6 bilhões, em valores corrigidos pela inflação). O valor de 2023 também supera a soma de tudo o que foi aprovado pelo governo Bolsonaro em 4 anos (R$ 15,2 bilhões). Possivelmente, um novo recorde deverá ser estabelecido em 2024.

Parece notório o uso estratégico e bilionário da Lei Rouanet no sentido de calar os artistas. Parece óbvio que pagando bem, eles permitem que a Amazônia queime sem musiquinha triste. É o maior “cala boca” da história.

Nunca os artistas foram pela Amazônia, muito pelo contrário, querem sempre mais benesses em troca de silêncios obsequioso às praticas danosas ao povo brasileiro pelo governo Lula. Recentemente, o Palácio do Planalto esperou dos artistas a solidariedade dos artistas para o problema sério criado por Lula com Israel, em que ele registrou que a defesa contra o terrorismo do Hamas, era um novo Holocausto, gerando um problema sério em que o presidente se tornou persona non grata a Israel. Nenhum dos favorecidos pela Lei Rouanet se manifestou a favor de Lula.

Jornal da Cidade Online

 

 

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *