TSE se arma com munição mortífera em desacordo com a Constituição, diz Alexandre Garcia

Durante a semana de Natal surgiram informações ‘bélicas’. “O Tribunal Superior Eleitoral, que tem por tarefa preparar eleições, parecia estar se preparando pra guerra”, aduz o renomado jornalista Alexandre Garcia. As compras foram realizadas “cautelosamente, pouco a pouco, por mês”, explica o jornalista.

E segue informando em seu artigo:

“Em agosto, o TSE comprou 30 pistolas calibre 9 milímetros (…). Em setembro, 10 armas de incapacitação neuromuscular (…). Em outubro, depois de comprar 25 bastões anti-tumulto (…), fez o pregão de 36 mil cartuchos calibre 9 milímetros luger com pólvora química sem fumaça (…), e, no mesmo dia, 3 mil cartuchos do mesmo calibre com geometria especial, ponta oca e configuração hexagonal em seu interior, o que garante alto desempenho e a perfeita equação entre a expansão e a penetração ideal, sem transfixação do alvo.”

Na sequência, Garcia diz o que são os tais projéteis ponta oca:

“Todos já ouvimos falar dos projéteis de ponta oca, conhecidos também como os mortíferos que se abrem hollow point, que se abrem para causar maior impacto e maior estrago, maior dano colateral no corpo do alvo.”

Parece incompreensível toda essa parafernália bélica adquirida pelo TSE, conforme explica o próprio Alexandre Garcia:

“Para quê isso? Sem dúvida a Justiça Eleitoral tem direito à proteção, mas para isso há a Polícia Militar. (…) A Constituição prevê, no art. 142, que qualquer dos três poderes tem a iniciativa de convocar as forças armadas para garantia da lei e da ordem. E é bom lembrar que o art. 144 da Constituição estabelece que a segurança pública é exercida pela polícia federal, as polícias rodoviária e ferroviária federais, as polícias civis, as polícias militares e os corpos de bombeiros militares e as guardas municipais. Não há menção de outra força policial ao abrigo da Constituição.”

E conclui:

“Imagino que o TSE esteja vendo inimigos muito além dos hackers. Porque para esses invasores de muralhas digitais, as armas de defesa são digitais, usando mais inteligência que esses invasores, para proteger o bem mais precioso, de que a Justiça Eleitoral é guardiã por obrigação: o voto de cada um. E contra hackers, não fazem efeito armas convencionais como cassetetes, armas de incapacitação, pistolas 9mm, munição sem fumaça ou ogivas que se abrem para destruir corpos não digitais, de carne e osso, de eleitores e contribuintes que ajudaram, com seus impostos, a comprar o intimidador armamento.”

Jornal da Cidade Online

Francisca

Cadeia neles..não é o que se deve fazer quando alguém age fora da lei? Porque esses ministros do STF/TSE descumprem a lei a todo momento e nada acontece com eles? Ainda porque a Polícia Federal continua a cumprir as ordens ilegais que eles dão?

Francisca

Cadeia neles..não é o que se deve fazer quando alguém age fora da lei? Porque esses ministros do STF/TSE descumprem a lei a todo momento e nada acontece com eles? Ainda porque a Polícia Federal continua a cumprir as ordens ilegais que eles dão?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *