Para realinhar a sua base política, Flavio Dino deve expurgar do governo quem não é aliado

                O governador Flavio Dino, que viu a sua base política começar a desandar com a derrota da cooperativa política liderada por ele, decidiu no segundo turno das eleições municipais no segundo turno em São Luís, tomar outro rumo e o derrotaram-no. O dirigente do executivo estadual em represália demitiu de cargos no estado,  pessoas ligadas aos que não seguiram as suas ordens e não escondeu a sua revolta e indignação pela desobediência.

O governador posteriormente, chegou a admitir uma recomposição e não tratou de sinalizar entendimentos, e o que não era difícil acabou se tornando pior, depois que o Palácio dos Leões experimentou nova derrota na eleição para a Federação dos Municípios do Maranhão  – Famem. Os aliados de outrora venceram o pleito se opondo a máquina governamental e mais derrota, mais decepção e mais revolta a Flavio Dino. Se com a derrota na disputa da prefeitura de São Luís, não houve clima e nem interesse das duas partes em aparar as arestas, com a pancada na Famem e as informações cada vez mais frequentes da candidatura do senador Weverton Rocha ao governo do estado em 2022, a coisa desandou de vez.  Com a articulação para a formação da base política do senador, a impressão que fica é que nos bastidores o rompimento já existe na prática e poderá ser oficializado com a ampliação da reforma administrativa que deve ser feita dentro dos próximos dias.

Pelo que é comentado, os Secretários de Estado e outros ocupantes de cargos filiados a partidos que devem deixar a base do governo, para serem mantidos na equipe governamental terão que se filiar aos partidos que alinham com a orientação de Flavio Dino, caso contrário não haverá convivência. Também estão na mira, os indicados por políticos, hoje do outro lado, os quais devem ser expurgados.

Pelo visto, o governador Flavio Dino pretende atrair para a sua base outros partidos e para tanto já dispõe de moedas de trocas. O deputado Duarte Junior, também conhecido como “Filho do Povo”, que chegou a ter o seu nome ventilado para o primeiro escalão do Palácio dos Leões, simplesmente foi esquecido, mas quem sabe, se a sua hora não é agora. Caso seja concretizado o rompimento haverá mudanças nas bancadas na Assembleia Legislativa do Estado e a oposição deve crescer, além de que o presidente do parlamento passará a ser oposição e deve deixar o partido do governador.

 

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *