Organização Mundial Saúde é contra vacinação obrigatória: “Não se recomenda medidas autoritárias”

Uma argumentação sempre utilizada contra alguns dos posicionamentos a do presidente Jair Bolsonaro a respeito da pandemia sempre foi a alegação do posicionamento da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A OMS errou muito… Mas isso não vem ao caso presentemente. Pois bem, vamos ao que realmente interessa…

Nesta quarta-feira, 21, a vice-diretora da entidade, Mariângela Simão, disse que é contra “medidas autoritárias” com relação as vacinas.

“A OMS defende que isso é para cada país decidir. Mas em uma situação que você está falando com adultos, que têm capacidade de discernimento para fazer escolhas informadas, não se recomenda medidas autoritárias. Até porque é difícil fiscalizar. Vai depender da situação interna de cada país, mas é difícil a implementação,” analisou Mariângela Simão, em entrevista à CNN Brasil.

Doutor NatureSegundo a vice-diretora, a OMS tem colocado que precisa ter critérios: justificativa científica; tem que avaliar o custo benefício.

“Recomenda-se que faça consulta pública sobre o tema; que haja coordenação entre pesquisadores e serviços de saúde; que a escolha de onde estudo vai acontecer seja criteriosa, pois se uma pessoa ficar doente, o serviço de saúde tem que ter condições de atender; e tem que ver o tipo de participante, que neste caso são voluntários jovens, de 18 a 30 anos, que têm menos complicações; e claro que tem que ter consentimento informado”, listou Mariângela. O pensamento de Bolsonaro coincide com o da OMS. E agora?

Jornal da Cidade Online

 

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *