II Romaria pela Ecologia Integral e contra os crimes da Companhia Vale em Brumadinho e no Brasil

Com o tema “Do luto à luta”, a programação conta com lançamento de Pacto dos Atingidos, projeções no Córrego do Feijão, celebração de missa, vigília, realização de webinário e sarau virtual.

A segunda edição da Romaria pela Ecologia Integral a Brumadinho, que acontece entre os dias 18 e 25 de janeiro, contará este ano com uma vasta programação que será, prioritariamente, de maneira virtual, respeitando o distanciamento social devido à pandemia da Covid-19. Realizada pela Região Episcopal Nossa Senhora do Rosário (RENSER), da Arquidiocese de Belo Horizonte, junto às pastorais e movimentos sociais, assessorias técnicas independentes, ONG’s e outras entidades da sociedade civil organizada, as atividades da Romaria se estendem até o dia 25, data que marca os dois anos do crime da Vale em Brumadinho. A Romaria pela Ecologia Integral e Brumadinho, lembrará outros crimes ambientais praticados pela Companhia Vale, dentre eles, está Piquiá, em Açailândia no Maranhão.

“Romaria nos lembra a condição de peregrinos, do povo de Deus que está a caminho, construindo a liberdade, buscando paz e justiça social. Neste sentido, a Romaria Regional pela Ecologia Integral a Brumadinho reforça a memória das 272 pessoas e, mais recentemente, de mais um irmão nosso, que também morreu soterrado por esse crime da Vale. É uma denúncia, uma exigência para que a reparação seja feita e para que a esperança de semear, lutar e buscar uma Ecologia Integral seja possível”, afirma Dom Vicente Ferreira, bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte e referencial para a RENSER, que compreende todas as paróquias de cidades e distritos da região do Vale do Paraopeba.

O conceito de Ecologia Integral permeia toda a atmosfera do evento desde a sua primeira edição, realizada no ano passado. Esse conceito é norteado pela Encíclica “Laudato Si – Louvado Seja – o cuidado com a Casa Comum, escrita pelo Papa Francisco. De forma a fomentar que a denúncia não caia no esquecimento, realizaremos ações como a vigília em memória das vítimas; projeções no Córrego do Feijão; sarau virtual; webinar com denúncia internacional sobre o crime e a troca de vídeo-cartas, uma iniciativa que conectará, através da comunicação popular, as atingidas e os atingidos pela mineração não só pelo crime da Vale em Brumadinho, mas de todo país.

Além da diversa programação virtual, aberta a todos os públicos, as atividades presenciais serão restritas aos familiares das vítimas do rompimento da barragem no Córrego do Feijão. A primeira edição da Romaria reuniu cerca de 5 mil pessoas, em 2020, em um momento emocionante de oração, partilha e, sobretudo, de solidariedade às famílias das vítimas dessa tragédia anunciada

Pacto dos Atingidos – Lançado na semana que antecede o dia 25, o Pacto dos Atingidos é um importante documento construído coletivamente por atingidos e atingidas de toda a bacia do Paraopeba, como agricultores familiares, indígenas, quilombolas, assentados e acampados da reforma agrária, familiares das vítimas, pessoas que perderam suas casas, suas plantações, sua segurança hídrica e ainda correm, todos os dias, o risco de serem contaminadas pelos rejeitos da mineração que estão na água, no solo e no ar.

Fonte> CPT Nacional

 

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *