Gilmar Mendes ignorou o que escreveu em livro defendendo a prisão em 2ª instância

Em seu livro ‘Curso de Direito Constitucional’, que o ministro Gilmar Mendes escreveu em parceria com o procurador Paulo Gustavo Gonet Branco, a prisão após condenação em 2ª instância é defendida.

“Esgotadas as instâncias ordinárias com a condenação à pena privativa de liberdade não substituída, tem-se uma declaração, com considerável força de que o réu é culpado e a sua prisão necessária”.

E o próprio Gilmar prossegue ‘ensinando’:

“Nesse estágio é compatível com a presunção de não culpabilidade determinar o cumprimento das penas, ainda que pendentes recursos”.

Nesta quinta-feira (7) movido por ‘forças ocultas’, Gilmar contrariou o que certamente é ensinado na faculdade em que é proprietário.

Que vergonha!

O que Gilmar dirá para os seus alunos?

Que não leu o livro que escreveu?

                     Jornal da Cidade Online

 

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *