Dívida retira dezenas de camburões da Polícia Militar das ruas e deixa a população em pânico

Desde o ano passado a crise financeira da Polícia Militar já dava demonstrações  plenas de que as ações desenvolvidas eram mais acentuadas pelos próprios esforços dos militares, do que pelas condições de trabalho que lhes eram garantidas. Se na capital, o problema é bem angustiante, no interior ele tomou proporções sérias, levando-se em conta de que os comandantes de unidades militares não recebem repasses financeiros para o custeio e manutenção das unidades, necessárias para a prestação de serviços à população.

Se antes a situação era bem grave, a agora caminha para proporções inimagináveis. O recolhimento esta semana de mais 40 camburões locados para a Polícia Militar por falta de pagamento, teria causado surpresa ao Comando Geral, mas a verdade é que os débitos são bastante acentuados e sem nenhuma sinalização de pagamento, e a empresa locadora tomou a decisão de recolher mais viaturas, que segundo se comenta já seria superior a 100.

Foi uma verdadeira bomba para a população, quando soube da apreensão das viaturas militares com a observância de que a maioria das pessoas acreditava que os veículos da frota da Polícia Militar eram de propriedade da instituição e que as entregas delas em ato solenes pelo governador Flavio Dino, não passavam de mais uma das suas inúmeras farsas.

A grande expectativa e ansiedade para os militares é que a empresa locadora de centenas de camburões da Polícia Militar poderá retirar de circulação outras viaturas e o problema começar a ficar insustentável. A população vive tensões sérias, diante de que a força policial em pleno funcionamento não responde como deveria ao enfrentamento da criminalidade, com a atual fragilidade, o pânico começa a amedrontar as pessoas.

Recebi hoje a informação de que o Governo do Estado estaria fazendo esforços para negociar com a locadora, inclusive com um cronograma de pagamentos para que as viaturas sejam liberadas para retornar ao policiamento, o quanto antes.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *