Alcolumbre em negociata com dinheiro público com presidente do TRE do Amapá para uma mulher

O senador Davi Alcolumbre foi flagrado combinando pagar salário a uma mulher, sem que ela precisasse trabalhar. Reportagem veiculada pela Revista Veja revela com detalhes a peripécia: Trata-se nada menos do todo poderoso presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal.

“O dinheiro seria debitado dos vencimentos que o deputado recebia da Câmara. O ato, porém, estava longe de ser caridade. Alcolumbre estava atendendo ao pedido de um amigo, o desembargador Gilberto Pinheiro, do Tribunal de Justiça do Amapá (TJ­AP), que precisava resolver uma questão pessoal com relativa urgência.”

A mulher envolvida no caso é Tatiele Pereira de Castro, que era até então funcionária do Tribunal de Justiça do Amapá. Rumores da proximidade entre Tatiele com o magistrado teriam provocado sua demissão, segundo a Veja.

E prossegue a matéria:

“Para não deixar a ex-funcionária desassistida, o desembargador pediu ao senador que patrocinasse uma espécie de auxílio-desemprego para a mulher. Foi quando os dois — Alcolumbre e Tatielle — se encontraram para combinar os detalhes de como essa ajuda seria operada. Sem que o senador soubesse, Tatielle gravou a conversa. Nela, o congressista se compromete a pagar uma mesada à ex-funcionária do TJ durante dois anos, incluindo férias e décimo terceiro — mas tudo de maneira informal, às escondidas. Além disso, atendendo a um outro pedido do amigo desembargador, Alcolumbre se compromete a ajudar a comprar um carro para Tatielle. Desorientada, ela tinha acabado de se separar do marido em razão das maledicências ditas sobre o relacionamento com o desembargador.”

E a matéria revela as suspeitas em torno do caso:

“Há uma miríade de suspeitas nessa conversa gravada: relações impróprias entre autoridades, troca de favores, nepotismo cruzado e mau uso do dinheiro e das funções públicas. Ao negociar a mesada com Tatielle, por exemplo, o senador cita que o valor seria correspondente ao que sua esposa, Liana Gonçalves de Andrade, iria receber como funcionária do mesmo TJ-AP. A conclusão que se tira do diálogo é que a contratação da esposa do senador funcionou como uma espécie de compensação financeira. Alcolumbre, bancaria Tatielle por dois anos, e em contrapartida, o salário de Liana no tribunal faria o encontro de contas. “A Liana vai ganhar 8 000 reais, só que vai descontar 27,5%. Aí, quando colocares na máquina, dá 6 000 reais, é o que tu recebe”, disse o senador, ao explicar para a ex-funcionária a base de cálculo que usou para chegar ao valor exato da mesada. Liana, talvez por coincidência, ocupou um cargo em uma diretoria subordinada ao desembargador Pinheiro no mesmo período em que Tatielle recebeu a mesada.”

Fonte Revista Veja

 

 

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *