A apuração sobre a ligação do ministro Dias Toffoli com a Odebrecht e OAS

Crusoé teve acesso à integra da investigação que apura o elo do ministro do STF com as empreiteiras

Os repórteres Rodrigo Rangel e Luiz Vassallo tiveram acesso à íntegra da apuração da Procuradoria-Geral da República sobre a relação do ministro do STF Dias Toffoli com as empreiteiras Odebrecht e a OAS.

É a reportagem mais importante que você lerá em muito, muito tempo: O material inclui o depoimento sigiloso no qual integrantes da Lava Jato ouviram Marcelo Odebrecht sobre os arquivos relacionados a Dias Toffoli.

Marcelo Odebrecht explica o esforço da companhia para contar com os préstimos do “amigo do amigo de meu pai” — como Toffoli era conhecido na empreiteira.

A Odebrecht, segundo o empreiteiro, chegou a “pagar caro” a um escritório autorizado por Toffoli para “intermediar” a relação:

A Crusoé revela também que, nas planilhas secretas da OAS, os procuradores da Lava Jato encontraram o registro de um repasse contabilizado como “reforma casa Dias Toffoli”.

Isso confirma o relato do dono da OAS, Léo Pinheiro, que foi engavetado pela PGR.

Depois de descobrirem a planilha, os investigadores defenderam a reabertura da apuração, observando haver “robustos indícios” de que a OAS custeou a obra na residência do ministro do STF.

Vale lembrar que, em abril do ano passado, a Crusoé revelou que Dias Toffoli era conhecido na Odebrecht como o “amigo do amigo de meu pai”.

Por causa da reportagem, Crusoé e O Antagonista foram censurados pelo ministro Alexandre de Moraes, colega de Toffoli no STF. Por ordem judicial, portanto, a reportagem foi retirada do ar.

Depois, contudo, Moraes revogou a censura, reconhecendo a legitimidade da reportagem da Crusoé.

Você não pode perder a nova apuração exclusiva da Revista Crusoé.

Fonte: Revista Crusoé

 

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *